CONTATO

LOCALIZAÇÃO

  • Facebook - círculo cinza

Av. Pompéia, 543

Pompéia - São Paulo - SP

CEP: 05009-060

Estacionamento conveniado:

Em frente a clínica na

Av. Pompéia, 544

 

11 3872-0466

11 3868-0422

11 2729-4882

Fisioterapia:

11-3672-0535

11-3862-0670

AV. Pompéia, 533 – ao lado da clínica Santa Clara

Site personalizado por:

logotinarte.png
 
icone-peso-fisio.png

A Fisioterapia pode ser definida como uma ciência aplicada à prevenção e tratamento da saúde por meio de recursos físicos. Sua aplicação necessita do entendimento das estruturas e funções do corpo humano.

 

Ela estuda, diagnostica, previne e trata os distúrbios, entre outros, cinético-funcionais (da biomecânica e funcionalidade humana) decorrentes de alterações de órgãos e sistemas humanos. Além disso, a Fisioterapia estuda os efeitos benéficos dos recursos físicos como o movimento corporal, as irradiações e correntes eletromagnéticas, o ultrassom, entre outros recursos, sobre o organismo humano.

 

É a área de atuação do profissional formado em um curso superior de fisioterapia. O fisioterapeuta é capacitado a avaliar, reavaliar, prescrever (tratamento fisioterapêutico), dar diagnóstico cinético-funcional, prognóstico, intervenção e alta fisioterapêutica. É administrada em consultórios, clínicas, centros de reabilitação, asilos, escolas, domicílios, clubes, academias, residências, hospitais, empresas, unidades básicas ou especializadas de saúde, pesquisas, entre outros, tanto por serviços públicos como privados.

 

A Fisioterapia atua nas mais diferentes áreas com procedimentos, técnicas, metodologias e abordagens específicas que têm o objetivo de avaliar, tratar, minimizar problemas, prevenir e curar as mais variadas disfunções.

 

RPG

(REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL)

Nos dias de hoje, o estilo de vida sedentário e estressante apresenta-se como fator agravante, desencadeando em todos os sistemas corporais um mal funcionamento e gerando tensões, tudo isso fortemente associado com alterações comportamentais e emocionais, formando assim uma estrutura complexa e inespecífica.

 

O homem passou, então, a assumir posturas cada vez mais prejudiciais ao corpo, como também se distanciou de si mesmo, deixando sempre para segundo plano o seu autocuidado. Com isso, observa-se um considerável aumento de várias doenças, dentre as quais as musculoesqueléticas. Entretanto, é possível resgatar o autocuidado, pois o corpo humano tem uma grande capacidade de plasticidade e reestruturação. Afinados a este quadro, os profissionais da área da saúde têm buscado oferecer abordagens terapêuticas qualitativas e globalistas.

 

A RPG tem se apresentado como método fisioterápico bastante apropriado. PL.E. Souchard, fisioterapeuta francês, após quinze anos de estudos no campo da reeducação postural, desenvolveu a RPG, que se baseia nos seguintes princípios: Globalidade Preocupa-se com a totalidade do corpo, intervindo em todos os compartimentos corporais ao mesmo tempo e estabelecendo correlações entre os mesmos, buscando corrigir tudo que é patológico e que se afasta da fisiologia normal.

 

Individualidade Analisa e trata cada indivíduo em relação a suas manifestações, que são pessoais e únicas. Causalidade Busca tratar, não os sintomas, mas as suas causas, no processo terapêutico. Mediante uma avaliação qualitativa investigam-se, inicialmente, as tensões neuromusculares e as mudanças funcionais e estruturais. Em seguida, empregam-se posturas de alongamento muscular ativo e progressivo associados com a respiração e técnicas específicas, visando colocar em evidência as tensões musculares. Restabelece-se, assim, a harmonia entre os músculos e, conseqüentemente, promovendo-se um relaxamento, já que se interrompe o ciclo de desenvolvimento de tensões e dores.

 

A RPG traz soluções para prevenir, curar e remediar os desvios posturais, as deformidades e as disfunções causadas por eles. Procura corrigir o mal uso que os indivíduos fazem de seus músculos ossos e articulações, restituindo a boa morfologia. Como resultado, recupera a função e os movimentos corporais se tornam mais integrados, harmoniosos, perceptíveis e conscientes.

 
icone-gesso.png

A Ortopedia é a especialidade médica que cuida das doenças e deformidades dos ossos, músculos, ligamentos, articulações, enfim, elementos relacionados ao aparelho locomotor.

 

A Traumatologia é a especialidade médica que lida com o trauma do aparelho músculo-esquelético. No Brasil as especialidades são unificadas, recebendo o nome de "Ortopedia e Traumatologia" e também a especialidade da odontologia entitulada Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial que, por sua vez, cuida do complexo Buco-Maxilo-Facial, propriamente dito.

 

Existem diversas doenças ósseas que independem do trauma, como o câncer ósseo, luxações congênitas e deformidades ósseas que necessitam de tratamento médico. As hérnias de disco, causadoras de dores intensas na coluna, podem ser operadas tanto por ortopedistas como por neurocirurgiões, dependendo de sua formação.

 

O aumento da velocidade de locomoção do ser humano trouxe também o trauma, considerada uma doença, ao contrário do antigo termo utilizado, que era "acidente". Outro importante campo de atuação da especialidade é na área do esporte, onde temos as lesões esportivas com características próprias de cada esporte em particular (um gesto, uma lesão).

 

As lesões decorrentes das atividades esportivas envolvendo o sistema músculo-esquelético de modo geral envolvem os músculos, tendões, cápsula e ligamentos articulares e os ossos nos mais diversos graus de comprometimento, afastando o atleta de suas atividades esportivas por tempo determinado, de acordo com a gravidade da lesão.

 

Um acidente de trânsito terrestre, aéreo ou mesmo doméstico pode acarretar fraturas ósseas complexas, com perdas sanguíneas importantes. As fraturas podem ser "fechadas", isto é, houve uma fratura mas a parte fraturada não se comunicou com a parte externa, sendo por isso considerada uma fratura limpa e que pode ser alinhada e mantida imobilizada com gesso.

 

Outro tipo de fratura é a "exposta", que ocorre quando a fratura tem alguma comunicação com o meio exterior. Um exemplo seria um fêmur fraturado que rasgasse a pele e aparecesse do lado de fora da perna. Embora a traumatologia pareça ser o estudo de todo tipo de trauma, ela lida apenas com as lesões ósseas e musculares tendinosas dos membros superiores, inferiores, bacia e coluna.

 

O trauma abdominal é visto pelo cirurgião geral, o trauma craniano pelo neurocirurgião, o trauma de tórax frequentemente é avaliado pelo ortopedista porém as suas complicações Hemotórax Pneumotórax são avaliados pelo cirurgião torácico ou pelo cirurgião Geral, etc. Se tiver dúvidas, doenças ou fraturas (Ossos e músculos) consulte o médico.

 

A descoberta dos raios X por Roentgen Wilhilm em 1895 permitiu-nos aprender e compreender uma série de condições e otimizar o seu tratamento.

 

Enquanto compressão adequada e leitura da imagem é fundamental para o estudo de um paciente, a aplicação ea execução das projeções radiológicos realmente necessários, será de valor essencial para determinar o diagnóstico.

 

Um novo tratamento contra a dor e não-invasivo!  
 

Aplicada ao sistema musculoesquelético
 

"Extracorporeal Shockwave Therapy = ESWT
Durante a última Guerra Mundial, foi observado que marinheiros nadadores, os quais foram expostos à explosões de bombas, apresentavam-se intactos externamente, porém, em seus tecidos intemos apareciam sinais de regeneração celular ou leve trauma, o que foi atribuído às ondas de choque propagadas dentro da água, desencadeadas por estas explosões. Assim, surgiu, rapidamente, o interesse pelos efeitos biológicos e uso médico destas ondas.

1971 - 1ª desintegração cálculo renal (HaeuslerlKiefer)
1981 - 1ª aplicação em osso de cobaias (Haupt)
1988 - 1º tratamento pseudoartrose em humano (Valchanov)
1992: - 1º tratamento lendinose calcérea ombro (DahmenILoew)

A onda de choque (ou onda de impacto) é um pulso sônico ou uma energia cinética. Sua força de transmissão depende das propriedades físicas do tecido aplicado(liquido ou sólido). Por isso,existem equipamentos específicos para utilização em cada área: urologia e ortopedia. Dentre os diferentes métodos de geração de ondas existem:

• um sistema eletrohidráulico
• um sistema eletromagnético
• um sistema piezoelétrico

As ondas de choque agem de diversas maneiras:

a) ação mecânica, causando formação de microbolhas que eclodem fragmentando a calcificação;

b) ação analgésica por intenso estímulo local, liberando enzimas locais que atuam na fisiologia da dor;

c) ação vascular, provocando microvasos que melhoram a irrigação e oxigenação local e conseqüente reabsorção dos depósitos calcáreos ou cicatrização tecidual.

A TOC é um tratamento reconhecido pela Comunidade Médica Européia e aprovado pelo FDA (Estados Unidos) e vem sendo divulgada pela International Societyfor Musculoskeletal Shockwave Therapy (ISMST). As indicações ortopédicas da TOC são:

• calcificações em tendões nos ombros;
• epicondilites do cotovelo (Tennis elbow) ;
• faceíte plantar nos pés ("esporão do calcâneo");
• pseudoartroses (fraturas que não consolidaram após um periodo de 6 meses);
• bursite trocanteriana.

Como contra-indicações, temos:
• tumores muscoloesquelético;
• infecções no local (abscesso);
• distúrbios da coagulação sanguínea;
• nos ossos em crescimento (nas fises).

A Sociedade Brasileira de Terapia por Ondas de Choque (SBTOC) e a ISMST, recomendam o tratamento convencional dessas patologias, por exemplo: medicamentos, fisioterapia, palmilhas, aparelhos de imobilização, conforme o caso; e, geralmente, após um período de 6 meses, sem obter resultado satisfatório, é que utilizam a TOC. Assim, tem-se evitado uma série de cirurgias desde que se iniciou com a TOC.

Em geral, são recomendadas até 3 aplicações, com intervalo mínimo de 3 semanas, porém, existem casos (40-50%) em que uma única aplicação resolve o problema. Alguns pacientes conseguem alívio imediato e por definitivo, enquanto outros devem aguardar até 6 ou 12 semanas pelo resultado final, pois dependerá da capacidade individual de cicatrização e do estágio de evolução da doença. Os procedimentos são realizados ambulatorialmente e, em média, demoram entre 20 a 40 minutos. Não é necessária nenhuma preparação especial. Apenas se utiliza anestesia por sedação ou anestesia local por infiltração nos casos de dor aguda ou de alta sensibilidade à dor (5 %).

Como funciona?

Não se trata de um choque elétrico, mas sim de um impacto mecânico.

As Ondas de Choque são um tipo de energia mecânica que penetra no tecido lesado e provoca um fenômeno chamado cavilação, onde microbolhas se rompem provocando como microrupturas no tecido inflamado, determinando a liberação de substâncias antiinflamatórias locais e também estimulando um aumento na microcirculação local. Este aumento de nutrição no local antes fibrosado leva a uma progressiva cura natal do processo inflamarório-degenerativo. Podemos controlar a intensidade da energia com que as ondas de choque atingem o local a ser tratado. Quando utilizamos baixa energia produzimos alívio da dor e relaxamento muscular, quando se utiliza média energia ocorre a reparação tecidual e com alta energia pode ocorrer a estimulação óssea.

As ondas apenas atuam em tecidos lesionados e não causam nada em tecidos normais.

Como é o tratamento?

O tratamento é ambulatorial, não necessita internação ou anestesia a não ser para alguns casos de tratamento ósseo. Realizamos de 3 a no máximo 6 sessões com intervalo de uma semana entre cada aplicação. São aplicadas 2000 ondas em cada sessão nos locais lesionados.

Quais são as indicações?

Sempre para pacientes com lesões crônicas que não obtiveram sucesso com outros tratamentos e que apresentam tendentes crônicas comuns em esportistas e trabalhadores. As primeiras indicações confirmadas tanto na Europa como pelo FDA nos Estados Unidos são para epicondilite do cotovelo, fascite plantar com ou sem esporão de calcaneo, do ombro e pseudo artroses que são fraturas com atraso na consolidação. Com o tempo foram se ampliando as indicações ando que hoje tratamos tendões cronicamente inflamados em todo o corpo tais como tendente do tendão de aquiles, tendente patear, da fascia lata no joelho, bursite trocanteriana, pubeite, epicondite medial no cotovelo e bursite de ombro.

Serve para problemas de coluna?

Nunca deve ser aplicado diretamente na coluna, cabeça e tórax. Temos tratado também de dores musculares na região cervical irradiadas para os ombros e na região lombar irradiadas para os membros inferiores. Sempre em casos de dores crônicas sem melhora com os tratamentos habituais, nestes casos temos trabalhado com o conceito de dor crônica miofascial com presença dos chamados pontos-gatilho que são nódulos fibróticos intramusculares. Com a aplicação das ondas conseguimos desfazer estes nódulos e obtemos a analgesia e o relaxamento muscular. Todas estas novas aplicações ainda estão sob estudos científicos para comprovar a sua efetividade porém os resultados clínicos tem sido muito bons.

Quais os cuidados após a aplicação?

Repouso de atividades esportivas até a liberação pelo médico, calor ou as vezes gelo no local da aplicação 2 a 3 vezes por dia por 10 minutos, alongamentos leves e manter as atividades diárias como andar e trabalhar normalmente.

Quais são os resultados?

Com cerca de 800 pacientes tratados desde 1999 nas variadas indicações, temos tido de 65 a 75% de bons resultados caracterizados por desaparecimentos da dor, reabsorção de calcificações e melhora da movimentação das articulações possibilitando o retorno às atividades profissionais ou esportivas. A melhora não é imediata e ocorre na maioria dos casos entre 15 e 20 dias após o início do tratamento, considerando o prazo final do tratamento com 3 meses quando pode eventualmente ser repetido se for necessário.

Quais as complicações?

O tratamento pode ser doloroso durante a aplicação ou nos primeiros dias devido estimular tecidos lesionados. Não houve complicações locais ou sistêmicas importantes.

Quais as contra indicações?

Crianças, grávidas, distúrbios de coagulação, marcapasso, arritmias cardíacas graves e tumores locais.

Qual é o custo?

Este tratamento é particular não sendo coberto pelos planos de saúde porque não foi aprovada a relação dos procedimentos médicos da associação médica de 2003 na qual consta esta terapia.

Conclusão?

Trata-se de uma nova possibilidade de tratamento para pacientes com dores crônicas que não tiveram resultado com os tratamentos habituais.